Home » Pesquisadoras/es » Pós-doutorandas/os

Researchers_Postdocs_editada2

Pesquisadoras/es de pós-doutorado

2020 -

Clara Ruvituso

Clara Ruvituso é pesquisadora de pós-doutorado no Ibero-Amerikanisches Institut de Berlim e no Mecila, onde também coordena a área de pesquisa “Medialities of Conviviality”. Depois de ter escrito sua tese de doutorado sobre a polêmica recepção de Martin Heidegger na Argentina, ela decidiu focar na circulação do conhecimento em uma direção muito menos pesquisada: do Sul para o Norte. O seu principal interesse de pesquisa no âmbito da conviviality centra-se na análise das desigualdades, entrelaçamentos e transformações na produção e circulação transregional das Teorias do Sul. Em seu projeto no Mecila, ela pesquisa a circulação das teorias latino-americanas da dependência na França e na Alemanha, comparando processos de tradução, apropriação, modificação e trocas dentro de estruturas marcadas pela desigualdade e pela diferença.

Clara é socióloga pela Universidad Nacional de La Plata e doutora em Ciências Políticas pela Universität Rostock no âmbito no Programa de Pós-Graduação da DFG “Contatos culturais e discursos científicos”, além de ter atuado como professora assistente e pesquisadora em Ciências Políticas na Universität Rostock (2013-2018) e em Sociologia na Freie Universität Berlin (2018-2020) e como professora visitante na Universidad Nacional de La Plata e na Université Sorbonne Nouvelle (Paris 3).

Publicações recentes:
Ruvituso, Clara (2020): “Southern Theories in Northern Circulation: Analysing the translation of Latin American dependency theories into German”, in: Tapuya. Latin American Sciences, Technology and Society, 00, 0, 1-15, Online: Routledge. (Open Access)
Ruvituso, Clara (2019): “From the South to the North: The circulation of Latin American dependency theories in the Federal Republic of Germany”, in: Current Sociology, 68, 1, 22-40. (Open Access)
Ruvituso, Clara (2019): “Sozialwissenschaftliche Lateinamerikaforschung in der BRD“, in: Werz, Nikolaus; Maihold, Günther; Sangmeister, Harmut (eds.) Lateinamerika. Handbuch für Wissenschaft und Forschung, Baden-Baden: Nomos, 93-102. 

Mariana TeixeiraMariana Teixeira

Mariana Teixeira é bacharel, mestre e doutora em Filosofia pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), mesma instituição na qual cursou Ciência Política e Sociologia. Ela atuou como professora visitante no curso de graduação em Filosofia da Unicamp e na pós-graduação em Psicologia Social da Universidade de São Paulo; foi pesquisadora visitante de doutorado na  Freie Universität Berlin e realizou pesquisa de pós-doutorado no Cebrap (Centro Brasileiro de Análise e Planejamento). Atualmente, é pesquisadora associada desta última instituição e editora administrativa da Dissonância: Revista de Teoria Crítica.

Ela tem interesse e publicou trabalhos sobre teoria crítica, filosofia política e social, teoria sociológica, feminismo, teorias pós- e decoloniais e a tradição dialética com origem em Hegel e Marx. Por meio de uma investigação sobre a apropriação crítica da “dialética do senhor e do servo” de Hegel a partir de perspectivas subalternas (por exemplo, uma perspectiva racializada, marcada pelo gênero, colonizada ou explorada), sua agenda de pesquisa atual explora o potencial político-epistemológico latente nas experiências de sujeitos periféricos.

Publicações recentes:
Teixeira, Mariana (2020): “Kojève’s «dialectique du maître et de l’esclave» On the Wirkungsgeschichte of a traitorous translation”, in: S. Hrnjez, E. Nardelli (eds.), Verifiche: Rivista di scienze umane, special issue: Hegel And/In/On Translation. (Forthcoming)
Teixeira, Mariana (2020): “Dilaceration and emancipatory interest: The revolutionary subject in Lukács and Feminist Standpoint Theory”, in: G. Zucker-Smulewicz (ed.), Confronting Reification: The Revitalization of a Concept in Late Capitalism, 227-251.
Teixeira, Mariana (2019): “Can Honneth’s theory account for a critique of instrumental reason? Capitalism and the pathologies of negative freedom”, in: Schmitz, V. (ed.) Axel Honneth and the Critical Theory of Recognition, 173-205. 
Teixeira, Mariana; Bueno, Arthur (eds., 2019): The Politics of Social Suffering, special section of Digithum: A Relational Perspective on Culture and Society, 23.

Tilmann Heil

Tilmann Heil é docente no Departamento de História Ibérica e Latino-Americana da Universität zu Köln e pesquisador de pós-doutorado do Mecila, onde também coordena a área de pesquisa [Hi]Stories of Conviviality. Seu projeto de pesquisa atual, Valued Difference, foca em hierarquias e desigualdades urbanas e baseia-se em pesquisas etnográficas com migrantes da África Ocidental e do sul da Europa no Rio de Janeiro. Desde sua tese de doutorado, ele vem refinando a noção de conviviality em seu livro Comparing Conviviality como um processo de interação, negociação e tradução do qual emergem formas mínimas e frágeis de sociabilidade. Ele tem abordado situações de pluralidade étnica e religiosa e de multilinguismo.

Tilmann é doutor em Antropologia Social e Cultural e mestre em Estudos Interdisciplinares de Migração, ambos pela University of Oxford. Até 2020, ele realizou uma FWO Marie Sklodowska-Curie Fellowship no Centro de Pesquisa sobre Interculturalidade, Migração e Minorias do Departamento de Antropologia da Katholieke Universiteit Leuven. No mesmo período, ele colaborou com Meron Zeleke em uma pesquisa sobre migração da África Oriental e Ocidental com enfoque na questão de gênero, financiada pela Fundação Volkswagen. Anteriormente, ocupou a posição de pesquisador de pós-doutorado no Centro de Excelência “Cultural Foundations of Social Integration” da Universität Konstanz, onde também coordenou um programa de doutorado de quatro anos.

Publicações recentes:
Heil, Tilmann (2020): “Comparing Conviviality. Living with Difference in Casamance and Catalonia”, in: Global diversities, 21, Basingstoke: Palgrave, Springer link.
Heil, Tilmann (2020): “Post/colonial reconfigurations: The disregarded, renewed arrival of Spaniards in Rio de Janeiro”, in: Journal of Immigrant and Refugee Studies, 18 (3), 326-340.
Heil, Tilmann and Meissner, Fran (2020): “Deromanticising integration: On the importance of convivial disintegration”, in: Migration Studies.
Heil, Tilmann (2019): “Muslim – Queer encounters in Rio de Janeiro: Making sense of relative positionalities”, in: Ethnography, 1–20.
Heil, Tilmann (2019): “Conviviality as diasporic knowledge”, in: African Diaspora, 11 (1-2), 53–70.

Pós-doutorandas/os

2017 - 2019

Fernando Baldraia

Fernando Baldraia concluiu seu bacharelado e licenciatura em História na Universidade de São Paulo em 2003. No entanto, foi seu engajamento em organizações comunitárias de base na periferia de Osasco (São Paulo) e seu envolvimento com manifestações culturais afro-brasileiras o que o levou à Alemanha, como assistente em um grupo de capoeira. Lá, cursou com auxílio de uma bolsa de estudos da Fundação Rosa Luxemburgo, o mestrado em Estudos Interdisciplinares Latino-Americanos na Freie Universität Berlin (2012).  Nesta mesma universidade, dentro IRTG Between Spaces, concluiu seu doutorado (2017), tendo como objeto o Atlântico Negro e a recente historiografia brasileira da escravidão.

Sua pesquisa atual visa refinar a noção de diferença que ancora a abordagem relacional avançada no programa de pesquisa do Mecila. Afim de realizar essa tarefa,  o intercâmbio intelectual entre Nancy Fraser e Axel Honneth acerca do debate sobre redistribuição e reconhecimento é tomado como um caso paradigmático, a partir do qual o conceito de diferença pode ser reenquadrado, a saber, através do emprego de ideias largamente derivadas dos critical racial studies, das teorias queer e feminista, assim como de abordagens pós-coloniais acerca do entrelaçamento da América Latina na modernidade.

Working Paper No. 25, 2020 by Fernando Baldraia
Epistemologies for Conviviality, or Zumbification

Maya Manzi

Maya Manzi realizou seu doutorado em Geografia pela Clark University, Worcester (MA), seu mestrado em Geografia pela McGill University, Montreal (QC) e se formou bacharel em Geografia pela Université Laval, Québec (QC). Ela concluiu seu pós-doutorado no Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo na Universidade Federal da Bahia (PPGAU-UFBA) em Salvador, onde integra o grupo de pesquisa Lugar Comum. Seus interesses de pesquisa incluem a ecologia política e as economias morais de produção de agrocombustíveis, conflitos territoriais e socioambientais, movimentos sociais urbanos e agrários, planejamento insurgente, produção de naturezas e subjetividades e as experiências e práticas cotidianas na academia neoliberal.

Atualmente desenvolve um trabalho sobre a dimensão do conhecimento na convivialidade em sociedades desiguais da América Latina e do Caribe, examinando como a (geo)política e práticas de conhecimento estão implicadas em configurações particulares de convivialidade e desigualdade. Ela se concentra em uma forma específica, muitas vezes negligenciada, de convivialidade – aquela que caracteriza as relações entre natureza-sociedade e entre humano-não-humano.

Working Paper No. 15, 2019 by Maya Manzi
Fighting against or Coexisting with Drought? Conviviality, Inequality and Peasant Mobility in Northeast Brazil

Luciane Scarato
Luciane Scarato é mestre em História pela Unicamp (2006) e doutora em História pela Universidade de Cambridge (2017). Seus interesses de pesquisa incluem história Atlântica, Brasil colonial, cartografia histórica, cultura material, estudos latino-americanos e monarquias ibéricas. Publicado em 2014 um livro sobre Minas Gerais colonial intitulado Caminhos e Descaminhos do Ouro nas Minas setecentistas: contrabando, cotidiano e cultura material.

Atualmente, desenvolve pesquisas sobre a (re)construção histórica de contextos e experiências desiguais na América Latina, com enfoque nos “pontos de inflexão” desde o período colonial até o início do século vinte. Tal perspectiva parte do pressuposto de que os modelos de convivialidade que combinam diferença, diversidade e desigualdade são mutáveis e variam ao longo do tempo.  Assim, suas pesquisas almejam demonstrar que os estudos sobre a desigualdade em diversos períodos contribui para a formulação de uma ideia de convivialidade como um conceito analítico inovador.

Working Paper No. 12, 2019 by Luciane Scarato
Conviviality through Time in Brazil, Mexico, Peru, and Río de la Plata