Mecila

Grupo de Pesquisa Temática

2021

Uma nova gramática para a elaboração de políticas públicas de direitos humanos: gênero, sexualidade e raça no governo Bolsonaro

Jacqueline Teixeira é licenciada em teologia pelo Instituto Presbiteriano Mackenzie, mestre em sociologia e doutora em antropologia social e sociologia pela USP. Como pesquisadora do CEBRAP e do Núcleo de Estudos de Marcadores Sociais da Diferença da USP, investiga as áreas de gênero, sexualidade e religião. Suas principais atividades e interesses de pesquisa estão nas áreas de antropologia urbana, antropologia da religião e marcadores sociais da diferença. Atualmente é professora substituta no departamento de filosofia da educação e ciências da educação da Faculdade de Educação da USP, professora credenciada no programa de pós-graduação em educação e pesquisadora de pós-doutorado no programa de pós-graduação em antropologia social da mesma universidade.

Disciplina principal: Antropologia

Publicações selecionadas:

Teixeira, Jacqueline M. (2014): “Mídia e performances de gênero na Igreja Universal: O desafio Godllywood. Religião & Sociedade”, 34, 232–256.

Teixeira, Jacqueline M. (2017): “As relações entre Estado e Religião no Brasil”, in: Silva, Felipe G. and José R. Rodriguez (eds.), Manual de Sociologia Jurídica [3 vols.] [4th edition], São Paulo: Ed. Saraiva, 301–335.

Teixeira, Jacqueline M. (2021a): A Mulher Universal: corpo, gênero e pedagogia da prosperidade [2nd edition], São Paulo: Portal de livros abertos da USP.

Teixeira, Jacqueline M. (2021b): “Disputes pour les droits de l’homme au Brésil:une grammaire évangéliste dans les politiques publiques d’éducation”, in: Basdevant-Gaudemet, Brigitte and David Koussens (eds.), Les protestants évangéliques et la laïcité, Paris: Ed. Université Paris Saclay, 58–78.

Teixeira, Jacqueline M. (2021c): “No es humo, es fuego! Cruzada anti-género y resistencias feministas en Brasil”, in: Vega, Cristina and Cabezas, Marta (eds.), En la/La trinchera patriarcal: Neoliberalismo autoritario y nuevas derechas en Europa y las Américas, Barcelona: Ed. Bellaterra, 201–231.

Marília Moschkovich, socióloga, é mestre e doutora na área de educação e ciências sociais pela Universidade Estadual de Campinas. Suas áreas de interesse são sociologia da educação, sociologia do conhecimento, estudos de gênero, teorias feministas e antropologia. Recebeu a Bolsa Chanceler Alemã para futuros líderes da Fundação Alexander von Humboldt e ocupou cargos acadêmicos na UNC (Universidade Nacional de Córdoba, Argentina), e na EHESS (Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais, Paris).

Disciplina principal: Sociologia

Publicações selecionadas:

Moschkovich, Marília and Almeida, Ana Maria F. (2015): “Desigualdades de Gênero na Carreira Acadêmica no Brasil“, in: Dados, 58, 3, 749–789.

Moschkovich, Marília (2017): “Beyond the Academic Glass Ceiling: Notes on the Situation of Women Professors in Brazil”, in: Eggins, Heather (ed.), The Changing Role of Women in Higher Education. Academic and Leadership Issues [The Changing Academy – The Changing Academic Profession in International Comparative Perspective 17], Cham: Springer International Publishing; Imprint: Springer, 291–310.

Moschkovich, Marília (2018): Feminist Gender Wars: The Reception of the Concept of Gender in Brazil (1980s-1990s) and the Global Dynamics of Production and Circulation of Knowledge [PhD Thesis], Campinas: Universidade Estadual de Campinas.

Moschkovich, Marília (2020a):Notas para um Materialismo Bi-Alético“, in: Revista Brasileira de Estudos da Homocultura, 3, 10, 109–127.

Moschkovich, Marília (2020b): “Sobre laranjas mecânicas, feminismo e psicanálise: natureza e cultura na dialética da alienação voluntária”, in: Teperman, Daniela; Thais Garrafa and Vera Iaconelli (eds.), Coleção Psicanálise e Parentalidade [1 vol.], Belo Horizonte: Autêntica.

Projetos educacionais conservadores e suas configurações de convivialidade e desigualdade na Argentina e no Chile: os governos Macri e Piñera (2010-2020)

Cinthia Wanschelbaum é doutora em ciências da educação pela UBA (Universidade de Buenos Aires). É pesquisadora do CONICET no Instituto de Pesquisa em Ciências da Educação da UBA e professora associada no departamento de educação da UNLu (Universidade Nacional de Luján). Leciona em cursos de pós-graduação de diferentes universidades nacionais em toda a Argentina. Recebeu bolsas do Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico (DAAD) e da Fundação Alexander von Humboldt para realizar pesquisas na HU Berlin (Universidade Humboldt de Berlim).

Disciplina principal: Ciência da Educação

Publicações selecionadas:

Wanschelbaum, Cinthia (2015):Educación y terrorismo de Estado en la Argentina. La política educativa de los dinosaurios“, in: Pedagógica, Nº3. Departamento de Pedagogía, Política y Sociedad, Facultad de Humanidades y Ciencias de la Educación, 3, 57–72.

Wanschelbaum, Cinthia (2018): “La política educativa del aristogato“, in: Márgenes. Revista de Economía Política, 4, 37–45.

Wanschelbaum, Cinthia (2019): “Educación y desigualdad. Un análisis histórico-crítico de la Educación de Jóvenes y Adultos en Argentina“, in: Polifonías. Revista de Educación, VII, 23–42.

Wanschelbaum, Cinthia (2020): “El movimiento reformista del 55 al 66. La lucha “laica o libre” y el Departamento de Extensión Universitaria”, in: Feldfeber, Myriam and María Inés Maañon (eds.), La Educación Superior como derecho: a 100 años de la Reforma Universitaria, Buenos Aires: Editorial de la Facultad de Filosofía y Letras, 15–18.

Wanschelbaum, Cinthia (2021): “Una universidad para el pueblo. El proyecto político-pedagógico y las acciones del Departamento de Extensión Universitaria de la Universidad de Buenos Aires (1956-1966)”, in: Carli, Sandra (ed.), Historia de la Universidad de Buenos Aires (1945-1983), Buenos Aires: EUDEBA (forthcoming).

Cristina Alarcón é assistente acadêmica e professora na Universidade de Viena. De 2011 a 2020, foi assistente de pesquisa e professora na HU Berlin (Universidade Humboldt de Berlim). É doutora em ciências da educação pela HU Berlin, diploma que obteve com uma bolsa do Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico (DAAD). É psicóloga, ex-bolsista do CONICET e mestre em ciências sociais pela Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais.

Disciplina principal: Ciência da Educação

Publicações selecionadas:

Alarcón, Cristina (2014a): La verdad y la belleza. Protestas de escolares en Chile, 1973-2013 [Documentary], Chile: Martec Producciones.

Alarcón, Cristina (2014b): Modelltransfer im Schatten des Krieges, Frankfurt/M.: Peter Lang Publishing Group.

Alarcón, Cristina (2015): “Governing by Testing: Circulation, Psychometric Knowledge, Experts and the “Alliance for Progress” in Latin America During the 1960s and 1970s“, in: European Education, 47, 3, 199–214.

Alarcón, Cristina (2017): “Die StellvertreterInnen – Bildung und SchülerInnenmobilisierung in Chile, 1990-2015“, in: Zeitschrift für Pädagogik, 63, 5, 596–613.

Katharina Schembs é doutora em história pela HU Berlin (Universidade Humboldt de Berlim) e mestre em história, história da arte e estudos de línguas românicas pela Heidelberg University. Atualmente é professora assistente no Departamento de História Ibérica e Latino-Americana da UzK.

Seus principais interesses de pesquisa são história visual, história do populismo e do autoritarismo e história do planejamento urbano no Sul global.

Disciplina principal: História

Publicações selecionadas:

Schembs, Katharina (2013): “Education through images: Peronist visual propaganda between innovation and tradition (Argentina 1946-1955)”, in: Paedagogica Historica. International Journal of the History of Education, 49, 90–110.

Schembs, Katharina (2018): Der Arbeiter als Zukunftsträger der Nation. Bildpropaganda im faschistischen Italien und im peronistischen Argentinien in transnationaler Perspektive (1922- 1955) [Lateinamerikanische Forschungen Band 48], Cologne: Böhlau Verlag.

Schembs, Katharina and Potthast, Bárbara (eds.) (2019): Student Protests in the Global South. Annotated Sources (1918-2018), Cologne: GSSC.

Schembs, Katharina (2020): “Ein Mussolini der Pampa? Perón und die Rechte in Argentinien”, in: Eser, Patrick and Jan-Henrik Witthaus (eds.), Rechtswende in Lateinamerika. PolitischePendelbewegungen, sozio-ökonomische Umbrüche und kulturelle Imaginarien in Geschichte und Gegenwart, Wien: Mandelbaum Verlag.

Schembs, Katharina (2021): “The invention of the ‘third-world city’: urban planning in Latin America in the 1960s and early 1970s“, in: Esboços. Histórias em contextos globais, 28, 77–92.