Mecila
#05_cover_2_BUZ

A ascensão de regimes conservadores pelo mundo não é mais um fenômeno novo. Neste episódio discutimos alguns tópicos que nos ajudam a pensar sobre essa onda conservadora.

Como a nova direita, ou direita radical, concebeu a si mesma como um contrapúblico? Quais os papeis do masculinismo, nacionalismo e etno-nacionalismo em contextos como o do Brasil, Índia e Estados Unidos? E como as relações exteriores de países como o Brasil são afetadas com os discursos e ações de líderes como Jair Bolsonaro?

Entrevistados

Living on the edge - Wanezza Soares-148

Fernando Baldraia é historiador pela USP, com doutorado pela FU Berlin. Foi pesquisador de pós-doutorado no Mecila de 2017 a 2019. Atualmente é editor de diversidade na editora Companhia das Letras.

“a direita conseguiu se oferecer como um contrapúblico, quando ela na verdade é a hegemonia”
Peter-Birle_323x301px

Peter Birle é cientista político, pesquisador e diretor da seção de pesquisa e publicações do IAI, além de Professor Associado na FU Berlin, atuando principalmente com sistemas políticos e a América Latina. 

“No Brasil, há cem anos você tem uma política externa de princípios fundamentais: pragmatismo, universalismo, independência, autonomia. Mas com o governo Bolsonaro é um câmbio brutal”
Camila-original

Camila Rocha é cientista política e pesquisadora do CEBRAP. Seus interesses de pesquisa são cultura e comportamento político e métodos quantitativos.

“as pessoas querem sim que o Brasil seja um país menos desigual. Mesmo boa parte das pessoas que votaram no Bolsonaro”

Vá além

Leituras

Vídeos

Créditos adicionais

Foto de Fernando Baldraia por Wanezza Soares
Fotos de Peter Birle e Camila Rocha: Acervo Pessoal
Capa do episódio: imagem de vídeo do canal de YouTube Foco do Brasil